domingo, 19 de fevereiro de 2017

"Ver para Querer"


"Ver para Querer"

"O projeto "Ver para Querer" é um projeto piloto da Ordem dos Nutricionistas, que pretende centrar-se na promoção de uma alimentação saudável, por forma a melhorar a oferta alimentar na escola e a aumentar a literacia alimentar das crianças"

Hoje sinto-me particularmente honrada por poder divulgar esta parceria que une, pela primeira vez na história das duas instituições, a Ordem dos Nutricionistas e toda a Comunidade Educativa da E. B. 2/3 de Amarante.
Estamos a iniciar a intervenção e a operacionalização de todo um projecto, complexo e ambicioso, chamado "Ver para Querer", que não se esgotará durante este ano lectivo mas que se prolongará nos próximos. Entretanto, já temos página no Facebook e esta pode ser visualizada se clicarem aqui.
Juntem-se a nós, façam like e sigam-nos. Prometemos muito e esforçado trabalho!
Porque acompanhados dos melhores parceiros faremos mais e faremos melhor, pelos nossos alunos, sempre!

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Novas Sobre os Currículos e Novo Desenho Curricular


Novas Sobre os Currículos e Novo Desenho Curricular

Um currículo mais equilibrado, mais tempo para as disciplinas de História, Geografia e Educação Física? Boa! Só posso aplaudir!
Regresso da Formação Cívica? Regresso da Área de Projeto? Boa! Só posso aplaudir!
Vem aí uma revolução para as escolas? Se for boa, só posso aplaudir!
Vem aí uma outra forma de organização e de trabalho para e nas escolas? Só posso aplaudir!
É que como está, não está bem! Notoriamente, não está bem. E muita da culpa é do anterior ministro da Educação, Nuno Crato de seu nome, com a imposição de turmas gigantescas para as características dos nossos alunos, com a imposição de metas curriculares inexequíveis, com um desenho curricular desequilibrado que divide disciplinas de primeira categoria - Português e Matemática - de disciplinas de segunda categoria e que são todas as outras.
Vamos em frente. Decididamente caminhando em pleno século XXI... espero!

"O secretário de Estado da Educação admite reduzir os tempos de aulas de algumas disciplinas nos curriculos escolares, para aumentar os de História, Geografia e Educação Física. Ao Expresso, João Costa diz também que as escolas serão convidadas a desenvolver projetos que envolvam várias disciplinas e anuncia o regresso da Educação para a Cidadania."

Veja aqui a reportagem.

Nota - Chamam-lhe geringonça. Mas, por vezes, parece acertar.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Ai Cum Catano Que Este Blogue Faz Hoje Dez Anos!


Ai Cum Catano Que Este Blogue Faz Hoje Dez Anos!

E quase me escapava! Uma década! Como foi possível?!

Assim sendo não posso deixar de vos agradecer a companhia inestimável que me têm feito durante todos estes anos em que este blogue nunca ficou à mingua de leitores. Estou-vos grata do coração! Sem vocês desse lado, mesmo que silenciosos o mais das vezes!, isto não teria piada nenhuma.
E... continuemos! Enquanto continuar for uma opção...

Novas do Grupo Coral Sem Nome do Agrupamento de Escolas de Amarante

Grupo Coral Sem Nome do Agrupamento de Escolas de Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Novas do Grupo Coral Sem Nome do Agrupamento de Escolas de Amarante

Hoje foi dia de ensaio para os membros deste peculiar coro formado por alunos, funcionários e professores do Agrupamento de Escolas de Amarante.

Se eu estou afogadinha em trabalho? Sim, estou.
É certo que estou a afogar... mas não é por isso que deixo de cantar!
E por hoje é isto.

Da Municipalização da Educação


Da Municipalização da Educação

Devagar, devagarinho, com pezinhos de lã, aqui está a municipalização da educação a instalar-se obedecendo já, para não deixar dúvidas a ninguém, a calendários eleitorais ditados pelas próximas eleições autárquicas. Não se deixem enganar pela nomenclatura anunciada pois muito embora a palavra municipalização não esteja a ser usada, propositadamente, claro está!, e seja usada em sua vez a expressão "processo de descentralização", a coisa referida é exactamente a mesma. E a coisa é grave. Não o seria, no entanto, se este país fosse habitado por políticos verdadeiramente democráticos e que não cultivassem uma partidarite aguda e que colocassem os interesses da Nação, ou seja, os interesses da Educação acima de qualquer interesse partidário. Infelizmente não é que vamos vendo à nossa volta e já constatamos mesmo tentativas de silenciamento de vozes que por vezes se tornam incómodas apenas porque contrárias à opinião de quem momentaneamente ocupa as cadeiras do poder local.
Sim, é certo, nós professores ainda não passaremos nesta fase para a jurisdição ou alçada do poder local mas o cerco está já a ser montado e, temo!, não faltará muito tempo para arranjarem cabresto à medida de cada voz, mais ou menos incómoda, mais ou menos escutada.
Pela minha parte aviso desde já que me manterei fiel às minhas ideias e opiniões e que o poder autárquico jamais me calará.
Tenho dito!
E ainda relembro que uma só voz, a falar num mesmo tom, será sempre mais pobre do que muitas vozes que se expressam através de múltiplos cambiantes. Porque a diversidade é muito bela.
E tenho dito!

Pessoal não docente: mais de 40 mil passarão a ser geridos pelas câmaras

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Afogamento

Auto-Retratos - Canntina da E.B 2/3 de Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Afogamento

Digamos que afoguei perante o trabalho que já tive durante os últimos dias, digamos que me sinto de novo a afogar perante a perspectiva de trabalho que terei nos próximos dias.
Mas atenção, enquanto afogo, mantenho-me colorida. Porque é o mínimo!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Dia de Nova Jóia de Luz

Nova Jóia de Luz - Porto

Dia de Nova Jóia de Luz

Confesso-vos que hoje é um dia de muita emoção para a minha família. É que chegou uma nova Jóia de Luz pequenina, acabada de nascer em Dia de Namorados e que me fez, pela primeira vez do meu lado, tia abuelita.
Obrigada, sobrinhos meus! Que a nova Jóia de Luz hoje chegada a este mundo tenha sempre tudo o que precisa para crescer forte, saudável e feliz.

Novas do CNE por David Justino


Novas do CNE por David Justino

Não sei como é que o CNE chegou aos valores que hoje anunciou David Justino para a redução de alunos por turma. O que sei é que o país teria a ganhar com a constituição de turmas mais pequenas pois pouparia, por certo!, em problemas disciplinares que, quantas vezes! levam os professores às doenças psiquiátricas com reflexos na falta de produtividade e no absentismo e pouparia, igualmente por certo!, pela diminuição das retenções de alunos que provocaria esta medida pois só quem não é professor é que não sabe o quanto é diferente o funcionamento de uma turma com 20 ou com 30 alunos dentro de uma sala de aula. As retenções custam-nos 380 milhões por ano? Talvez só com esta medida, da redução de alunos por turma, fosse possível obter alguns ganhos também aqui. E depois, o país também pouparia em subsídios que deixaria de pagar, baixava ao mesmo tempo a taxa de desemprego, colocava mais gente no activo, mais gente ficava com algum dinheiro no bolso para consumir levando a uma maior circulação de moeda... sei lá, de repente isto até se revelava um bom saltito na economia geral.
Digo eu. Mas também digo que, para além de tudo isto, talvez fosse interessante, por uma vez, deixarmos de atirar o barro à parede com números de muitos milhões para impressionar o zé povinho e centrarmos a discussão mais no plano pedagógico... não?
É que toda a despesa com Educação não é um gasto. É um investimento.

Menos alunos por turma defendidos por PCP, BE e Verdes custam entre 500 e 700 ME - CNE

Quanto a esta notícia, só posso subscrever as palavras de David Justino.

Turmas com alunos de vários anos de escolaridade são uma "chaga social", afirma presidente do CNE


Da Importância da Apresentação na Alimentação



Da Importância da Apresentação na Alimentação

Sim, a apresentação é importante... e tudo isto a propósito do Dia dos Namorados.
Gentileza, precisa-se! Vejam o vídeo e aproveitem as ideias, simples mas muito belas!

domingo, 12 de fevereiro de 2017

História 3.º Ciclo - Um Manual de História (Gratuito) On-Line




História 3.º Ciclo - Um Manual de História (Gratuito) On-Line

Hoje o facebook fez o favor de me lembrar que no ano de 2014, mais precisamente no dia 10 de Fevereiro, este meu outro blogue, do qual sou única tratadora, chamado História 3.º Ciclo, contabilizava 100 mil entradas.
Nascido no dia 14 de Setembro do ano de 2011, hoje, dia 10 de Fevereiro de 2017, este blogue contabiliza já mais de 233 mil entradas o que me deixa particularmente feliz.
É um blogue de trabalho, um verdadeiro manual on-line de História que cobre quase todo o programa de História do 3.º Ciclo a que faltam apenas as últimas aulas do 9.ºano de escolaridade... isto porque aguardo a última moda ditada pelo ministério da Educação porque tenho mais o que fazer do que andar a chover no molhado. Digo eu...
Escrito a pensar nos meus alunos, serve igualmente alunos que não são meus e inúmeros colegas e curiosos em geral sobre estas coisas da História.

As Dez Áreas de Competências ou os Novos Dez Mandamentos da Educação em Portugal

Recorte surripiado no Meu Quintal

As Dez Áreas de Competências ou os Novos Dez Mandamentos da Educação em Portugal

E depois de uma travessia no deserto relativamente às competências a desenvolver nos alunos, e estou a referir-me ao ministério imediatamente anterior a este, o de Nuno Crato, em que as competências se escafederam pois o que contava eram os objectivos a alcançar pelos alunos disfarçados ou travestidos de metas curriculares, eis que as competências estão de volta, et voilá!, e, curiosamente ou talvez não, são dez as áreas de competências que os alunos devem desenvolver ao longo da escolaridade obrigatória, a saber:

1.º - Relacionamento interpessoal
2.º - Linguagens e textos
3.º - Informação e comunicação
4-º - Raciocínio e resolução de problemas
5.º - Pensamento crítico e pensamento criativo
6.º - Desenvolvimento pessoal e autonomia
7.º - Bem-estar e saúde
8.º - Sensibilidade estética e artística
9.º Saber técnico e tecnologias
10.º Consciência e domínio do corpo

Ao mesmo tempo, não se esqueçam, teremos o emagrecimento de currículos já a entrarem no próximo ano lectivo, previsivelmente, nos anos iniciais de cada ciclo.
Só posso concordar com este emagrecimento curricular. Quantidade nunca foi qualidade e não se admite que professores e alunos andem às voltas com tantas e algumas tão complexas metas curriculares que não permitem a respiração a professores e alunos e que são, mesmo sem respiração, completamente inexequíveis. Haja paciência!
E haja paciência também para... que seja por bem... e aí vamos nós... mais uma vez... aí vamos nós!

Ministério quer dar mais espaço aos alunos na sala de aula e fora dela

Governo emagrece currículos escolares

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Novas do Kahoot


Novas do Kahoot

Terminei agora mesmo o meu primeiro Kahoot e na próxima segunda-feira irei testá-lo com a ajuda do meu braço direito informático, Ana Osório de seu nome. Porque gosto de ter tudo sob controlo e não gosto de fazer fracas figuras à frente da miudagem, toca a assegurar primeiro que está tudo cinco estrelinhas para as aulas de revisões de História, que decorrerão, pela primeira vez, sob a forma de jogo, de quizz, subordinado ao tema "O mundo Helénico".
Resta-me, pois, experimentar esta poderosa ferramenta que todos os a que usam me asseguram ser belíssimamente aceite pelos alunos.
Por certo, com os meus alunos não será diferente...

Currículos Flexíveis


Currículos Flexíveis

E aí estão eles a chegar o que nos permitirá flexibilizar os currículos. Como? Como será isto operacionalizado nas escolas? Pois veremos já a partir do próximo ano lectivo.
De notar que o título desta notícia deveria ser "Currículos flexíveis nos anos iniciais de ciclos já no próximo ano".

Currículos flexíveis nos ciclos iniciais de ensino já no próximo ano

Refugiados - Uma História Feliz


Refugiados - Uma História Feliz

Porque nem todas as histórias de refugiados acabam em tragédia. E porque esta é uma história do Portugal que eu amo.

Mohammad, o refugiado sírio que brilha na robótica em Coimbra

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Ainda o Tâmega

Tâmega Invernal em Dia de Sol - Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Ainda o Tâmega

Sempre o Tâmega.
Este programa tem 6 anos. A palavra a Emanuel Queirós, amarantino e meu irmão.

Blogs e Companhia_PGM_07 from rtv on Vimeo.

A Fraude das Barragens do Alto Tâmega


A Fraude das Barragens do Alto Tâmega

«Joanaz de Melo, do Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), disse, em comunicado, que o Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET) é "uma fraude" eacusou o Governo "de laxismo".»

Barragens do Alto Tâmega? "Uma fraude", dizem os ambientalistas

E as barragens do Baixo Tâmega... o que são?

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Teixeira de Pascoaes e Amadeo de Souza-Cardoso - À Conquista de Lisboa


Teixeira de Pascoaes e Amadeo de Souza-Cardoso - À Conquista de Lisboa

A propósito da inauguração da exposição "Pascoaes: de Amarante (Solar de Gatão) ao Universo", que ocorrerá hoje, dia 8 de Fevereiro, pelas 18h30, na Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, relembro os meus estimados leitores que, com Pascoaes, serão já dois os ilustríssimos Amarantinos, um no domínio das letras, outro no domínio pictórico, que, em simultâneo, estarão em exposição na nossa cidade capital, Lisboa.
Partilho com os meus leitores dois pequenos excertos da notícia da inauguração da exposição dedicada a Pascoaes, da Sapo, notícia intitulada, apropriadamente "Pascoaes: de Amarante (Solar de Gatão) ao Universo", agradecendo publicamente o apoio da Câmara Municipal de Amarante e o trabalho da CarlosGalloDesigners e ainda da Barbara Abreu Arquitetos, tudo pessoal de Amarante que fez, por certo, um excelente trabalho para que esta exposição seja condignamente divulgada.

"Culminando o Triénio Pascoalino, um conjunto de eventos que, em 2014, 2015 e 2017, evocam a figura de Teixeira de Pascoaes (1877-1952), a Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), a Câmara Municipal de Amarante (CMA) e o Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (CLEPUL), entre outras ilustres instituições, realizam a exposição Pascoaes: de Amarante (Solar de Gatão) ao Universo que, recriando a atmosfera do espaço familiar e de escrita do poeta, reúne um vasto conjunto de cartas de e para Pascoaes, cartões postais, manuscritos e datiloescritos de algumas das obras fundamentais do autor, fotografias de família, amigos e admiradores e ainda alguns exemplares da sua obra plástica."
(...)
Simultaneamente, decorrerá em Amarante, entre 27 e 31 de março de 2017, o Congresso Internacional Teixeira de Pascoaes: Pensamento e Missão, comemorativo dos 140 anos do seu nascimento e dos 65 da sua morte, no qual se discutirão os tópicos nevrálgicos da sua produção escrita, desde a filosofia, a poesia, a literatura, a pedagogia, a antropologia, a estética, entre outros."

E partilho ainda o link de uma notícia que nos dá conta da exposição do nosso genial Amadeo.

Exposição de Amadeo de Souza-Cardoso inaugura no Museu do Chiado

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Indisciplina - Estudo do Alexandre Henriques - ComRegras


Indisciplina - Estudo do Alexandre Henriques - ComRegras

Ontem o Alexandre Henriques, dono do blogue ComRegras, publicou o 2.º Estudo Sobre Indisciplina em Portugal Com Dados das Escolas. Os dados deste importantíssimo estudo podem ser consultados aqui. Olhem para eles. Analisem os dados. E vejam como a indisciplina está a aumentar.
Um ano após a publicação do 1.º estudo sobre indisciplina em Portugal, igualmente da autoria do Alexandre Henriques, não posso deixar de registar a inércia da tutela perante este problema que mina tantas e tantas aulas neste país e que é o responsável por tanto desespero sentido pelos professores e que conduz, inúmeras vezes, à ruptura e à doença do foro psicológico ou mesmo psiquiátrico.
Hoje partilho parte de um post surripiado ao Alexandre Henriques, do blogue ComRegras que nos dá conta dos ecos saídos hoje na imprensa nacional do seu estudo sobre indisciplina nas escolas. E agradeço-lhe, publicamente, o gigantesco trabalho manifestando o meu orgulho por também pertencer a esta casa ComRegras.
Quanto ao ministério da Educação... é caso para perguntar "Onde está?" Encerrou para balanço?

Mais de 11 mil expulsões da sala de aula apenas em 47 agrupamentos

(Expresso)
Alexandre Henriques lamenta a forma “negligente” como se lida com a indisciplina e violência escolar e que considera “potenciadora do seu agravamento”. O problema começa logo na inexistência de uma recolha sistemática e uniforme dos registos disciplinares nas escolas e que deveriam ser transmitidos ao Ministério da Educação. Neste momento, a única ‘ocorrência’ que tem obrigatoriamente de ser comunicada pelas escolas ao Ministério prende-se com comportamentos mais graves e que são punidos com a transferência de escola (dados em baixo).

Indisciplina está a aumentar nas escolas

(JN)
Alexandre Henriques, autor do inquérito, revelado esta segunda-feira, garante que estes dados “são a ponta do icebergue”, e que esta é uma realidade a crescer. “Se extrapolássemos para a totalidade dos agrupamentos, as participações chegariam a 206.055″, afirma. No ano passado, o levantamento contou com 38 agrupamentos e quando se fez esta extrapolação, as queixas ficavam nas 200 mil”, garante.

Indisciplina na escola. Mais de 206 mil participações disciplinares num ano

(LUSA por DN)
“Não podemos olhar para estes números e pensar que se trata de um caso isolado”, alerta Alexandre Henriques, avisando que as escolas e os seus docentes e não docentes “precisam de ajuda”.
Para o autor do estudo, é “urgente reconhecer o problema, conhecê-lo por diferentes perspetivas e depois intervir de forma coletiva”, porque, argumenta, a tutela e as escolas têm mecanismos que permitem conhecer a dimensão e tipologia de indisciplina em contexto de sala de aula. “Basta apenas dar esse passo”, sugere.

Nas salas de aulas reina a “pequena indisciplina”

(Público)

Está a aumentar a indisciplina nas escolas

(TSF)

Discurso Direto – Indisciplina aumentou nas salas de aula

(TVI 24)

Os Alunos e o Peso (Brutal) das Mochilas

Imagem retirada da petição

Os Alunos e o Peso (Brutal) das Mochilas

O peso brutal que muitos dos alunos deste país transportam às costas volta a ser notícia hoje, no jornal Sol, pela mão de Ana Petronilho que nos dá conta do caminho já trilhado pela Petição contra o peso excessivo das mochilas escolares em Portugal e que conta já com mais de 32 mil assinaturas e será, por isso, obrigatoriamente discutida no Parlamento onde
A petição relembra-nos um estudo feito pela DECO/Proteste no ano de 2003 e os pedidos que daí decorreram endereçados ao Ministério da Educação, às escolas e às editoras para que este gravíssimo problema fosse ultrapassado com a ajuda de todas as partes.... mas todas as sugestões parece teren caído em saco roto porque o problema, ao invés de melhorar, agravou-se e muito, ultimamente pela alteração das aulas de 90 minutos para aulas de 50 ou 60 minutos em muitas escolas, alteração esta que faz com que os alunos somem mais disciplinas por dia e, consequentemente, somem mais peso nas mochilas por dia.
A petição relembra-nos ainda uma tese de mestrado realizada no âmbito do curso de Engenharia Humana da Universidade do Minho intitulada "Transporte de cargas em populações jovens: implicações posturais decorrentes da utilização de sacos escolares" que revela que quase dois terços dos alunos se queixavam de dores nas costas decorrentes do peso que carregavam. Relembra ainda campanhas e mais estudos que foram sendo realizados ao longo dos anos, todos a apontarem para os graves problemas de saúde que pesam sobre o presente e o futuro das nossas crianças, consequência do excessivo peso que carregam às costas.
Este problema arrasta-se, portanto, há anos e anos e nada de soluções que não sejam pontuais, marginais, excepcionais.
Já escrevi sobre este preocupante assunto neste mesmo blogue, em post publicado no dia 13 de Janeiro de 2016, depois de ter levado uma balança para a sala de aulas para, em Formação Cívica, pesar as mochilas dos meus alunos e constatar que algumas pesavam o escandaloso peso de 10 kg.
Ana Petronilho escreve :
"As mochilas dos alunos com quatro ou cinco quilos de peso e 12 manuais têm os dias contados. Os partidos com assento parlamentar vão apresentar na Assembleia da República recomendações e projetos-lei para evitar que os alunos do básico e secundário continuem a carregar todos os dias nas mochilas os manuais escolares, os livros de fichas, os cadernos, os estojos e o equipamento para as aulas de Educação Física.
O mote chegou com a petição pública contra "o peso excessivo das mochilas em Portugal" que, em menos de um mês, até ontem, à hora do fecho desta edição, tinha reunido mais de 22 mil assinaturas.
Está garantida assim a discussão obrigatória do assunto em plenário e a possibilidade de os peticionários apresentarem uma solução para o peso das mochilas. Será nessa altura que os partidos que dizem estar "preocupados" com o assunto vão avançar com soluções para o problema, sendo esta uma das queixas "mais recorrentes dos pais".
Seja como for, volto a escrever o que já escrevi em post anterior: Teremos de tentar arranjar uma forma de minorar este problema de saúde pública que terá, não tenhamos dúvidas, repercussões na saúde futura destes nossos miúdos e miúdas, alguns com aparência mais leve do que as próprias mochilas que carregam às costas com muita dificuldade. Nós, Instituições, famílias, Tutela, Editoras.
E volto a relembrar que os alunos não deveriam transportar/carregar mais do que 10% do seu peso.

Hoje também é notícia a crónica falta de obras nas escolas públicas e a igualmente crónica falta de funcionários não docentes.

Sol
Petição. Partidos vão fazer lei contra mochilas pesadas

ComRegras
Os alunos e o peso das mochilas

Petição
Petição contra o peso excessivo das mochilas escolares em Portugal

Sol
Ministro da Educação vai ao parlamento "com urgência" explicar falta de obras e de funcionários nas escolas

Nota - Post originalmente publicado no ComRegras

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Jornada Clandestina


Jornada Clandestina

Podia ser a minha, ou a sua, ou a dele... ou a dela...

Alunos e Portefólios

Portefólio de História - E. B. 2/3 de Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Alunos e Portefólios

Os portefólios de História construídos pelos meus alunos são objecto de avaliação segundo os critérios aprovados em grupo, departamento e pedagógico lá da minha escolinha. São construídos de forma totalmente manual e artesanal, são quase totalmente manuscritos e, tivesse eu mais tempo disponível para as aulas de História, desafiaria os meus alunos para a construção de portefólios digitais... não para anular os primeiros mas para os complementar e/ou acompanhar a par e passo fazendo um balanço de prós e contras no final do ano lectivo sobre as vantagens e desvantagens dos dois modelitos.
Construir um portefólio, seja ele de que tipo for, é assim como quem sobe à duna mais alta de um qualquer erg formado por dunas gigantescas. Sim, custa esforço. Sim, é preciso insistir, persistir, resistir e nunca desistir.
Hoje partilho esta lição de vida em forma de objectivos retirada de um portefólio de História...
Bonita, não?

Airbnb Super Bowl Commercial


Airbnb Super Bowl Commercial

Porque a diversidade é coisa deveras linda ou como grande parte do mundo está unida contra as trumpalhadas que fomentam o ódio.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Kahoot

Kahoot - Captura de ecrã

Kahoot

Quem me falou do Kahoot em primeira mão foi o meu anjo da guarda informático lá da escolinha, a minha querida Ana Osório. Que sim, que era muito giro, que era um programa muito fácil para trabalhar, que era muito intuitivo, que os miúdos adoravam... e eu pumbas! Hoje mergulhei nele mesmo antes de jantar e estou agora a acabar o meu primeiro Kahoot, depois de muitas interrupções para acudir a outros lados!
Vou usar os meus primeiros Kahoot durante as próximas aulas de revisões para o primeiro teste de avaliação que farei durante este período. E darei novas da reacção dos meus alunos à coisa! Palpita-me que eles vão jogar, entusiasmados!, este jogo que agora para eles preparo!

Estacionamento em Amarante - Exercício de Cidadania em 1-2-2017

Estacionamento livre no Tribunal na tarde de 1-2-2017
 Estacionamento livre no Rossio na tarde de 1-2-2017
 Estacionamento livre na Cândido dos Reis na tarde de 1-2-2017
Estacionamento livre em S. Pedro na tarde de 1-2-2017
 Estacionamento livre nas Bucas na tarde de 1-2-2017
 Estacionamento livre por cima da Central de Camionetas na tarde de 1-2-2017
Estacionamento livre na Florestal na tarde de 1-2-2017
Estacionamento livre na Alameda na tarde de 1-2-2017
Estacionamento livre no Campo da Feira na tarde de 1-2-2017
 Estacionamento livre por detrás da antiga Adega na tarde de 1-2-2017
 Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Estacionamento em Amarante - Exercício de Cidadania em 1-2-2017

Este é um exercício que, prometo, farei de forma aleatória, abrangendo dias de semana e dias de fim-de-semana, dias de pacatez e dias de festa e que farei de quando em vez por Amarante a propósito da "crónica" falta de estacionamento que, para mim, é mais um mito urbano do que outra coisa qualquer.
Começarei por dizer que tenho por hábito deslocar-me pela cidade a pé. Assim, vou a pé para a Escola, vou a pé da Escola para o Arquinho, desloco-me a pé para a Grelha, nem me passa pela cabeça pegar no carro para ir a Santa Luzia, muito menos para ir tomar um café ao centro da cidade. Tenho duas pernas que precisam destes exercícios, cabeça que também respira muito melhor com eles, prezo o ar saudável e verde que se vai respirando nesta cidade... tão pequena mas tão pequena... que às vezes até dói a sua pequenez chegando nós, de uma ponta à outra de Amarante em 20... vá lá!, a andar mesmo devagar em 30 minutos. Ah! E, ainda para minha defesa, por acaso vivo numa das ruas mais complicadas da city em termos de inclinação... para baixo todos os santos ajudam mas, para cima... pois!... quem a sobe tonifica o coração... e as pernas juntas com ele fazendo aquilo que eu chamo um dois em um - terapia física e terapia psicológica, tudo junto e ao mesmo tempo que uma não se dá sem a outra.
Posto isto na quarta-feira de tarde entrei no meu carro para despachar rapidamente a minha curiosidade. Quarta pareceu-me um bom dia para começar porque é dia de mercado e desloca-se mais gente à cidade.
E lá fui eu ver com os meus olhos, e a minha máquina fotográfica, como estavam os parques de estacionamento que servem o miolo desta cidade, nas suas margem direita e esquerda do rio Tâmega e ainda em algumas das suas ruas mais centrais. Não o fiz de forma exaustiva e deixei de fora, por exemplo, um enorme parque em altura, particular, que serve o Arquinho, e onde me asseguram, quem lá estaciona, que há sempre mas sempre lugares vazios.
Por todo o lado existiam lugares vazios. Mas as cerejas no topo do bolo foram duas, foram dois, dois parques de estacionamento a bem dizer às moscas. Um foi o parque do Rossio, gratuito, que não sei quantos automóveis comporta mas que sei serem bastantes, e que serve todo o centro histórico da cidade. Dali chega-se em 10, 15 minutos a cada extremo do centro histórico. A outra cereja, ou seja, o outro parque de estacionamento às moscas é igualmente um parque gratuito situado ao lado e atrás do Bairro Cancela de Abreu e que serve toda a parte alta da cidade na sua margem direita.

Nota 1 - E dei comigo a pensar... será que vale a pena construir um giga parque de estacionamento no coração desta cidade, rebentando com uma frente ribeirinha ímpar e única... ou será que era melhor ampliar o que pudesse ser ampliado nos parques já existentes, melhorar as suas acessibilidades e melhorar a informação sobre o que na realidade existe aqui por Amarante e que está, na maior parte dos dias, às moscas? De modo a que mesmo nas Festas do Junho e no Festival Mimo existissem lugares para (quase) todos os popós e camionetas...

Nota 2 - Se morasse nos arrabaldes longínquos de Amarante teria de me deslocar à cidade de automóvel. Vai daí este problema da falta(?) de estacionamento cruza-se com um centro histórico despovoado e abandonado que parece continuar a não ser aposta dos sucessivos políticos que têm passado pela nossa autarquia, independentemente da cor do seu cartão.

Nota 3 - Prometo repetir o exercício de cidadania lá mais para a frente, com excelente tempo, com eventos marcados aqui na cidade.

Nota 4 - Não fotografei os lugares vazios e disponíveis para estacionamento de forma exaustiva.
 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.