domingo, 4 de dezembro de 2016

Amarante e as Iluminações de Natal

Iluminações de Natal - Ano de 2008 - Amarante
Fotografias  Anabela Matias de Magalhães

Amarante e as Iluminações de Natal

Quando temos a sorte e a fortuna de habitar uma cidade extraordinariamente bela, e que é uma pequena/enorme jóia, o que devemos fazer com ela?
Devemos, acima de tudo, tratá-la com o máximo de respeito e, logo de seguida, apenas valorizá-la intervindo somente o necessário para potenciar uma perspectiva, um recanto, um pormenor, por forma a que essa intervenção não se torne sufocante e que, desse sufoco, resulte o esmagamento, o afogamento, a destruição da jóia.
Quando as iluminações de Natal nos fazem lembrar um catálogo de iluminações, sem qualquer rumo, sem qualquer coerência, sem qualquer fio condutor, umas assim e outras assado numa palhaçada hipercolorida que nos remete para uma qualquer romaria indistinta onde só faltam barracas de farturas, a cidade de Amarante só pode sair desvalorizada deste exercício de pimbalhada extremada que eu gostaria de não ver por aqui.
Amarante merece melhor. Merece, acima de tudo, não de uma intervenção em quantidade feita de luzes e mais luzes numa barafunda doentia e incoerente, não sei se barata ou cara, mas sim de uma intervenção cirúrgica, de uma intervenção apenas norteada pela qualidade.
E este princípio é válido não só em termos de iluminação.
Sobriedade, elegância, simplicidade são adjectivos que eu gostaria de estar hoje a usar para caracterizar a iluminação de Natal de Amarante, neste ano de 2016 que em breve finda.
Só que, é impossível.
Assim sendo, hoje partilho iluminações respeitadoras da beleza e da especificidade desta cidade para as dar como exemplo do que anteriormente afirmo.
Infelizmente são as do longínquo ano de 2008, partilhadas, um dia, neste mesmo blogue.
E como ainda nem tive coragem para fotografar as iluminações que este ano "adornam" a minha cidade, deixo-vos com o vídeo oficial e promocional, garantindo-vos que ao vivo a palhaçada consegue ser pior do que aqui aparenta.

Nota - É claro que esta é apenas uma opinião. Mas... será apenas uma?

Iluminações - Rua da Cadeia

Iluminações - Rua da Cadeia - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Iluminações - Rua da Cadeia

Aos poucos, a coisa vai... e as decorações/iluminações de Natal lá vão aparecendo aqui e ali, de noite em modo pisca pisca, adornando as varandas mais belas de Amarante, sinalizando casas habitadas com gente dentro. Porque na Rua vive e trabalha gente que se importa com ela e que não quer que ela passe ao lado desta quadra natalícia, logo numa rua que é, tradicionalmente, ostracizada pelo poder local no que a iluminações natalícias diz respeito. O que nem é mau de todo. Porque assim é só deixar cair a noite e as nossas iluminações brilham, discretas mas muito belas, acentuando a profundidade e o mistério de uma rua que se entranha na nossa pele, na nossa carne e que penetra até ao tutano da gente para lá se alojar em modo perpétuo.
Aos poucos, a coisa vai...

Nota - Prometo descer a rua uma noite destas fotografando fachadas, varandas, decorações e iluminações de Natal. Afinal, Amarante não é por estes dias uma Cidade Presépio?

sábado, 3 de dezembro de 2016

Bravio

Imagem surripiada ao Bravio

Bravio

Hoje é, para mim, um dia triste.
Porque o Bravio está com fim anunciado e porque o Bravio não é um Bravio qualquer sendo que é distinto de todos os outros blogues escritos por professores, pelo menos dos que eu conheço e, amiúde, frequento.
A escrita do Luís Costa é livre, limpa, assertiva, provocadora, inconformada, lutadora, implicada, inteligente, sagaz, coerente, profunda, opinativa, inquietante. A escrita do Luís Costa é, assim, uma verdadeira extensão do seu tratador que assim permanece contra ventos e marés.
Se há ainda blogosfera docente, o Luís Costa vai deixar nela um buracão.
E assim vamos ficando infinitamente mais pobres porque menos diversos e menos plurais. E também menos combativos.... ainda menos combativos...

Obrigada pela tua caminhada única e ímpar, Luís Costa! Agradeço-ta sentidamente.

Aurora

Imagem surripiada na Net

Aurora

Nascida a 15 de Junho, na Noruega, esta miúda é uma miúda. Portentosa!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Zumba - E. B. 2/3 de Amarante

Zumba - E. B. 2/3 de Amarante
Fotografias de Anabela Matias  Magalhães

Zumba - E. B. 2/3 de Amarante

Alimento do corpo. E da mente também.
Ahhhh... gargalhadas boas!

Pôr-do-Sol - Serra da Aboboreira

Pôr-do-Sol - Serra da Aboboreira - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Pôr-do-Sol - Serra da Aboboreira 

Alimento da mente.

O Rebanho e o Seu Pastor

O rebanho e o seu pastor - Serra da Aboboreira - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

O Rebanho e o Seu Pastor

O rebanho não é grande - apesar de contar com dois novos membros de pernas ainda muito frágeis - mas acompanha diária e obedientemente o seu pastor, um velho amigo aqui da Je.

Um dia, estava já eu entrada nos quarenta, pergunta-me o senhor Joaquim:
- Quantos anos é que a senhora tem?
- Quantos me dá, senhor Joaquim? - retorqui eu à espera de resposta mais ou menos agradável... eh eh eh... sou sincera.
O pastor mirou-me de alto a baixo, concentrou-se na minha cara e disparou:
- A senhora... a senhora tem 27 anos!

Escusado será dizer que o pastor ficou meu amigo para a vida e, desde aí, faça sol ou faça chuva, sempre que passo pelo senhor Joaquim desço pelo menos o vidro para o cumprimentar enquanto subo ou desço, devagar, a Serra. Por vezes paro para uma conversa:
- Então, vai com o rebanho para as Lagoas? Vamos aproveitar que a tarde está linda!

Moral da História - A vida, muito bela, não se faz só de Internetes, blogosferas e redes sociais e convém, com frequência, mergulhar as mãos na terra... só para lhe sentir a textura, o gosto, o sabor... enquanto nos deslumbramos olhando um pequeno rebanho.

Ateliê de Natal - Natal com Amadeo


Ateliê de Natal - Natal com Amadeo

Aqui deixo a informação sobre este ateliê de Natal, organizado pelo pessoal do Museu Amadeo de Souza-Cardoso, que decorrerá entre os dias 19 e 23 de Dezembro e que se destina a miúdos dos 6 aos 12 anos de idade.
A Jóia  Luz ainda vai ter de esperar...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

1.º de Dezembro ou o Dia da Restauração Restaurado


1.º de Dezembro ou o Dia da Restauração Restaurado

Faz hoje exactamente um ano que escrevi, aqui mesmo neste blogue, que a minha Pátria estava de luto. E estava de luto porque um governo deste país resolveu fazer desaparecer um dos feriados mais importantes desta/para esta Nação.
Hoje relembro esta Vergonha e escrevo esta palavra com letra maiúscula tal a indignidade do acto. E relembro que este roubo, de identidade também, foi cometido pelo XIX Governo Constitucional que resultou de uma coligação entre dois partidos políticos - pê esse dê e cê dê esse.

É tão simples quanto isto - sem este dia, do ano de 1640, que pôs fim à Dinastia Filipina e à União Ibérica, que restaurou a independência nacional e abriu caminho para a 4. ª Dinastia ou Dinastia de Bragança com a subida ao trono de D. João IV, Portugal seria hoje, provavelmente, uma das províncias de Espanha. O que seria bem diferente, não?
É que há feriados e feriados. E este é mais sagrado do que qualquer um dos religiosos do nosso calendário.

Hoje fez bem o pê esse dê em não se fazer representar ao contrário de outros políticos que, com a maior cara de pau, por lá se pavonearam como se nada tivessem a ver com tal indignidade de roubo. Pelo menos os primeiros foram coerentes... na indignidade.

Aqui deixo os meus parabéns à Geringonça que, neste particular, esteve muitíssimo bem ao repor um feriado que é identitário para a Nação.

Nota 1 - Ai que a História faz tanta falta... principalmente a alguns que tiram licenciaturas aos tropeções e parecem nem saber de que terra são!

Nota 2 - Eu não vos digo que a História é importante, Alunos Meus?! Até para estarem de olho alerta face a políticos tentados a cometer indignidades.

Falcoaria Portuguesa - Património Cultural Imaterial da Humanidade

Imagem retirada daqui.

Falcoaria Portuguesa - Património Cultural Imaterial da Humanidade

A actividade já era reconhecida em 13 países a nível mundial  já estava sob protecção da UNESCO. A partir de hoje, Portugal junta-se à República Checa, à Mongólia, a Marrocos, ao Qatar, à Síria, à Arábia Saudita, a Espanha, aos Emiratos Árabes Unidos, à Bélgica, a França, à Coreia, à Austria e à Hungria.

Parabéns a todos quantos perpetuaram esta actividade milenar até aos dias de hoje!

Falcoaria portuguesa classificada pela UNESCO


Luaty Beirão - A "Pedagogia da Coragem" em "Tempos de Miséria Ideológica"


Luaty Beirão - A "Pedagogia da Coragem" em "Tempos de Miséria Ideológica"

Hoje, as minhas primeiras palavras escritas do dia vão para Luaty Beirão. Por nos recordar, mais uma vez, a importância do Não esclarecido em tempos de ignorância e, principalmente, em tempos de cobardia generalizada, em tempos de cobardia comprada com dinheiros públicos, distribuídos a rodos por aqui, por ali e por acolá... e não estou só a referir-me ao regime angolano.
Dou a palavra a Pacheco Pereira, a Daniel Oliveira e a Luaty Beirão agradecendo a este último o exemplo maior que deu ao Mundo e aos seus habitantes... assim estes o saibam apreciar.

"Nestes tempos de miséria ideológica, é muito importante que alguém se dê ao trabalho de resistir"

Pacheco Pereira

"A única coisa que eu queria fazer era agradecer ao Luaty e a todos os outros pela pedagogia da coragem - e, atenção, não falo de heroísmo, falo de coragem, de servirem como um exemplo de decência.
O dinheiro compra as cobardias, compra os silêncios (...)

Daniel Oliveira

"Eu não tenho ideia de formar um partido político, prefiro trabalhar com a sociedade civil, prefiro trabalhar no amadurecimento do cidadão: capacitar o cidadão para que ele sinta que é o agente da mudança"

Luaty Beirão

Luaty Beirão elogiado por "pedagogia da coragem" em "tempos de miséria ideológica"

A Neve do Marão

A Neve do Marão Vista da Aboboreira - Amarante
Fotografias de Anabela Matias e Magalhães

A Neve do Marão

A neve, que pinta todos os anos a Serra do Marão de um branco imaculado e faz as nossas delícias desde a mais tenra idade, já fez das suas a semana passada, caindo a bom cair... tanto que ainda hoje é visível nas cumeeiras mais altas.
Quando éramos pequenos, era ver-nos em peregrinação anual, subindo a serpenteante estrada feita de curvas e contra-curvas que ligava, e ainda liga em grande parte, Amarante a Vila Real, rasgando, mal, o imponente Marão. Era uma reviravolta certa para os estômagos mais frágeis... como era o caso do meu.
Este hábito, da peregrinação à neve, é passado por aqui de pais para filhos, de avós para netos, de tios para sobrinhos. Hoje repetimos gestos um dia feitos pelos nossos pais, pelos nossos avós.
As fotografias que agora partilho foram tirada hoje de tarde, captadas de uma serra para a outra. Que é como quem diz, captadas da Serra da Aboboreira para a Serra do Marão.
Belíssimas, as duas... belíssimas as duas...

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Novas da FENPROF - Ponto de Situação



Novas da FENPROF - Ponto de Situação

A FENPROF apresentou hoje ao Ministro da Educação, em reunião em que o governante esteve presente, diversas propostas para as quais aguarda, agora, respostas, esperando que as mesmas sejam tão céleres quanto a dimensão de cada problema justifica. A saber:
- Assinatura de um protocolo negocial em torno de 3 grandes questões: combate ao desgaste e envelhecimento do corpo docente das escolas; criação de condições que garantam estabilidade no exercício da atividade docente; valorização do exercício profissional docente, também no plano das suas carreiras. Para a FENPROF, este protocolo destinar-se-á, não apenas, a identificar os problemas, como a encontrar soluções e a estabelecer os prazos para a resolução;
Com vista a serem consideradas no âmbito deste protocolo, a FENPROF adiantou já algumas propostas, dando ênfase às seguintes:
- Resolução dos problemas relacionados com a carreira docente, numa sequência de três momentos: i) regularização de todas as situações ilegais (janeiro de 2017), ii) descongelamento das progressões (julho de 2017), iii) início do processo de recuperação do tempo de serviço não contado (janeiro de 2018);
- Combate à situação de comprovado desgaste físico e psicológico dos docentes, através de uma reorganização dos horários de trabalho que contemple: i) uma clara definição do conteúdo de cada componente do horário, distinguindo, sem equívoco, o que é letivo do que não é letivo, ii) a integração das reduções por antiguidade (art.º 79.º do ECD), de novo, na componente não letiva individual dos professores, iii) antecipação da aplicação destas reduções;
- Rejuvenescimento do corpo docente das escolas através, por um lado, da criação de um regime especial de aposentação dos professores (tendo a FENPROF manifestado disponibilidade para encontrar soluções diversas de concretização deste regime), por outro lado, da criação de um regime de vinculação que integre nos quadros todos os que, em situação de precariedade, satisfazem necessidades permanentes das escolas e do sistema educativo.
Para além destas matérias, a FENPROF propôs ainda:
- O recurso à Procuradoria-Geral da República para arbitragem de divergências de ordem jurídica que FENPROF e ME mantêm em torno de aspetos relacionados com a interpretação de normativos legais que são incorretamente aplicados, penalizando fortemente docentes que continuam sem ser reposicionados na carreira, nos escalões em que se encontram os seus colegas com igual tempo de serviço;
- A criação de uma comissão conjunta que vise elaborar um diagnóstico da grave situação que se vive no 1.º Ciclo do Ensino Básico, com vista a atacar e resolver os problemas que afetam este setor, com prejuízos evidentes para a organização pedagógica das escolas, os alunos e os seus docentes;
- Que a gestão das escolas seja considerada matéria prioritária, a analisar e discutir ainda no presente ano letivo, no sentido de a democratizar e melhorar aspetos de ordem organizacional e de funcionamento das escolas. Nesse sentido, a FENPROF comprometeu-se a apresentar, na próxima reunião a realizar com o Ministro, uma proposta para a gestão democrática das escolas, que resultará da campanha de auscultação e debate que, a partir de janeiro, vai lançar em todo o país.
Relativamente a estas propostas, o Ministro da Educação afirmou que as teria em conta, quer analisando-as, quer encaminhando-as para as áreas adequadas da governação, pelo que a FENPROF fica, agora, a aguardar respostas concretas a cada uma delas, que espera receber em tempo breve.
Reconhecendo o conjunto de sinais positivos que foram dados no início de mandato – fim da PACC, das BCE, do PET/Cambridge, da requalificação e dos exames nos dois primeiros ciclos de escolaridade, entre outras medidas – é necessário, porém, que esses sinais deem lugar a mudanças significativas, sendo que, para os professores, relativamente às cinco grandes questões apresentadas (aposentação, vinculação, horários de trabalho, carreiras e gestão democrática), o tempo começa a justificar mais do que o reconhecimento dos problemas, exigindo que se tomem medidas que lhes ponham cobro.
A FENPROF está consciente de que não se pode fazer num dia o que foi desfeito em vários anos, mas os professores, que nunca deixaram de cumprir zelosamente os seus deveres, não aceitam continuar a ver desrespeitados os seus direitos. Com o objetivo de encontrar soluções para os problemas dos professores e das escolas, a FENPROF insiste na necessidade de um protocolo que calendarize os tempos para negociar e aprovar as medidas adequadas a essa resolução.

O Secretariado Nacional

Disciplinas de Primeira e Disciplinas de Segunda

Imagem surripiada na net

Disciplinas de Primeira e Disciplinas de Segunda

A notícia já é de ontem mas hoje volto a ela para reforçar uma ideia minha, por certo idiota, que ontem me ocorreu de imediato ao ler o que se foi escrevendo e ao ver o PSD chamar a si, e ao ministro Nuno Crato, os louros pelos resultados conseguidos à disciplina de Matemática de 4.º ano. Já agora, Nuno Crato fez exactamente o mesmo aqui.
Reforço o que ontem já escrevi: e as Ciências, senhores? E o fiasco da queda das Ciências no mesmo ranking? É que de 2011 para 2015 verificamos uma descida da 19.ª posição para a 32.ª! Não reclamam para o PSD e para o ministro Nuno Crato semelhante descida?!

Certo certo é que com Crato tivemos a introdução de um desenho curricular que nitidamente separa as disciplinas de Matemática e Português das restantes, ddesde o 1º. Ciclo. Estas são as disciplinas de primeira, as disciplinas de eleição. Todas as restantes são disciplinas de segunda categoria... havendo mesmo disciplinas de terceira categoria... estou a lembrar-me, por exemplo, de TIC no 3.º Ciclo.
Sim, porque o aumento das horas lectivas a Matemática e a Português foi feito à custa de horas roubadas a outras disciplinas. Disse bem, disse e escrevi bem - foram roubadas. O que desequilibrou todo um desenho curricular.
Só para que se saiba, estamos a falar de 275 horas anuais dedicadas à Matemática, somos mesmo os campeões pois nenhum outro país lhe dedica tantas horas!, sendo que a média dos países participantes no TIMMS é de 157 horas anuais. Mais quantidade é sempre melhor? Pois não é. A Coreia do Sul dedica umas modestas 100 horas anuais a Matemática e alcançou a medalha de bronze neste campeonato.

E deixem-me puxar a brasa à minha sardinha. Vejamos o caso de História, de 3.º Ciclo, na minha escola. Em tempos que já lá vão, já tive três tempos semanais de 50 minutos para leccionar um programa menos exigente do que este que agora lecciono em 100 minutos semanais.
Esta gente quer milagres? Talvez em Fátima? Em cima de uma azinheira?
É que o raio da manta, assim, não dá mesmo para cobrir de modo equilibrado a totalidade das disciplinas.

Portugal com subida redorde nas notas de matemática do 4.º ano

PSD congratula-se com melhoria dos conhecimentos a matemática no 4.º ano

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Matemática - Alunos Portugueses de 4º Ano à Frente dos Finlandeses


Matemática - Alunos Portugueses de 4.º Ano à Frente dos Finlandeses

O post que se segue foi originalmente escrito e publicado no ComRegras.

Sem dúvida que esta é a notícia de hoje, a divulgação dos resultados do TIMSS - Trends in International Mathematics and Science Study - que compara resultados internacionais de Matemática e Ciências e que nos comprova que não só os estudantes portugueses do 4.º ano de escolaridade conseguiram melhores resultados que os míticos finlandeses, como comprova ainda que, entre 1995 e 2015, Portugal foi o país que mais melhorou no que à Matemática diz respeito.
Clara Viana, no Público de hoje, chama este feito, como não podia deixar de ser, para o título da notícia Matemática: alunos portugueses do 4º ano passam à frente dos finlandeses. Mas, já a Ciências...

"Estes testes realizam-se de quatro em quatro anos. Por comparação a 2011, a média obtida por Portugal a Matemática subiu nove pontos, estando agora na 13.ª posição de um ranking que lista 49 países e regiões, dois lugares acima do que foi alcançado há quatro anos.
Já a Ciências (Estudo do Meio no currículo português), pelo contrário, registou-se "uma descida significativa": menos 14 pontos de média e descida da 19.ª posição para a 32.ª" escreve Clara Viana que aborda ainda a desigualdade de géneros verificados nos resultados de Matemática, desta vez com os rapazes na liderança em Portugal.

É claro que o PSD já veio reivindicar os excelentes resultados a Matemática... esquecendo-se, habilmente, de também reivindicar os péssimos resultados de Ciências...

Público - Clara Viana

Matemática: alunos portugueses do 4º ano passam à frente dos finlandeses

Lusa

PSD chama a si louros pelos bons resultados a Matemática

E ainda no Público

Bons resultados a Matemática mostram que houve políticas eficazes

Olaria Negra de Bisalhães - Património Imaterial da Unesco

Fotografias recolhidas na net

Olaria Negra de Bisalhães - Património Imaterial da Unesco

Já era Património Cultural Nacional mas, a partir de hoje, a Olaria Negra de Bisalhães é também, orgulhosamente, Património Imaterial da Unesco. Restam cinco oleiros, todos idosos e vale bem a pena saber os seus nomes - Cesário da Rocha Martins, Jorge Ramalho, Manuel Joaquim da Rocha Martins, Querubim Queirós Rocha e Sezisnando Ramalho são os resilientes artesãos que perpetuaram esta actividade fazendo-a chegar aos dias de hoje. A janela da extinção ainda não está, assim, fechada e a distinção de hoje vai contribuir, por certo, para a preservação desta forma de produzir peças de barro que, por usarem a soenga, muito embora não tão primitiva quanto a de Gondar, como método de cozedura, resultam em peças de barro preto pretinho, muito apreciadas na região e nos seus arredores, estrangeiro incluído.
Orgulho! Hoje, enquanto portuguesa, só posso estar orgulhosa.

Orgulho também na olaria de barro negro produzida em Gondar, Amarante, actualmente em processo de certificação, que usa um método de cozedura em soenga primitiva já raríssima nos dias que correm e já só produzida por um único artesão de seu nome César Teixeira.
Orgulho em saber que aqui mesmo, nesta mesma rua em que habito, abrirá um pequeno museu a esta olaria negra dedicado, com o apoio do Município de Amarante e a dedicação e empenho de sempre da Associação Camerata das Artes. Chamar-se-á Núcleo Museológico do Barro Negro e talvez para o próximo ano, até porque é ano de eleições, vos dê a notícia da inauguração deste importante espaço que contribuirá, inevitavelmente, para o ressurgimento desta rua que já bateu no fundo e está agora, nitidamente, a reerguer-se.
Aguardamos as cenas dos próximos capítulos mas, sem dúvida! esta foi uma importante notícia para Bisalhães... e para Gondar.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Iluminação de Natal - Rua da Cadeia - Amarante

Iluminação de Natal - Rua da Cadeia - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Iluminação de Natal - Rua da Cadeia - Amarante

A iluminação de Natal da Rua da Cadeia, em Amarante, foi oficialmente inaugurada hoje, o que quer dizer que por aqui também já há luzinhas a apagar e a acender. Entretanto, outras luzinhas se juntarão. Porque aqui, na rua, no coração da cidade de Amarante, também habita gente.

Castanheiros/Castanhas

Castanhas/Castanheiros - Barca - Serra da Aboboreira
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Castanheiros/Castanhas

Este ano os meus castanheiros esmeraram-se de uma maneira tal que continuo de cara à banda perante a quantidade de castanhas espalhadas no chão do meu souto. Estas foram apanhadas ontem, durante a tarde, retiradas aos seus ouriços empapados na água das últimas chuvas. A janela de tempo, para voltar à serra e apanhar as ditas cujas, é agora curta. Esperam-me, para variar, aulas e mais aulas e, além do mais, os dias agora estão já curtos como o raio que os parta.
Estas castanhas, apanhadas ontem, repousam agora em cima de uma toalha, ainda sem qualquer limpeza, mas já a secar. Serão, tal como as anteriores, muito macias, muito saborosas, muito doces, a descamisar que é uma maravilha e vão continuar a fazer as delícias cá de casa... e de mais algumas casas também.

domingo, 27 de novembro de 2016

As 3 Marias - Ruga de Expressão


Fotografia surripiada na net

As 3 Marias - Ruga de Expressão

Com os meus agradecimentos ao meu queridíssimo conterrâneo, nascido nesta minha rua, o jornalista Costa Carvalho, pelo envio destas belíssimas 3 Marias!


sábado, 26 de novembro de 2016

Benjamin Clementine - Do Metro de Paris para os Palcos do Mundo



Benjamin Clementine - Do Metro de Paris para os Palcos do Mundo

Hoje volto a um amor meu. Hoje volto a ele e recupero um post escrito exactamente há um ano.
Hoje volto a um hino à perseverança, à resiliência, ao trabalho afincado, à capacidade criativa humana, ao génio chamado Benjamin Clementine.
Hoje volto a um hino à multiculturalidade, ao movimento livre das gentes no nosso espaço/casa comum chamado Terra. Hoje volto a um hino à nossa Humanidade.

Thank you, Benjamin Clementine!






Amarante Cidade Presépio, a Antiga Rua da Cadeia e as Iluminações (Inexistentes) de Natal

Amarante Cidade Presépio - S. Gonçalo - Amarante
Fotografia de Anabela Magalhães

Amarante Cidade Presépio, a (Antiga) Rua da Cadeia e as Iluminações (Inexistentes) de Natal

A (antiga) Rua da Cadeia, que actualmente é composta por três ruas - Rua dr. Miguel Pinto Martins, Rua Miguel Bombarda e Rua Teixeira de Vasconcelos... ufa... ufa! tanto nome para rua tão pequena!... - é uma das artérias mais antigas de Amarante, existente já pré-invasões francesas, coisa que não acontecia com a actual Rua Cândido dos Reis, só posteriormente rasgada mais na proximidade do Tâmega.
Acontece que a (antiga) Rua da Cadeia tem vindo a ser sistematicamente discriminada, no péssimo sentido, relativamente à iluminação de Natal que por aqui tem sido inexistente, ano após ano, ano após ano. E esta discriminação, muito negativa, já cansa. Por Amarante, vêem-se já luzinhas por todo o lado, no Largo de S. Gonçalo, na Alameda Teixeira de Pascoaes, na Ponte Velha, na rua 5 de Outubro, na Cândido dos Reis, em Santa Luzia, no Campo da Feira, na Ponte Nova, no Largo do Arquinho... e na (antiga) Rua da Cadeia, coração do centro histórico de Amarante... cadê iluminação?! Pois não a viste? Pois nem eu!
Não sei a quem cabe a responsabilidade da contratação da iluminação de Natal. De qualquer modo, deixo aqui um apelo a quem de direito que me possa ler desse lado. Se Amarante se quer afirmar como Cidade Presépio... que tal deixarem de discriminar negativamente uma das ruas mais emblemáticas da cidade que se esforça de carago para se reerguer do esquecimento a que tem sido votada?
Podem ter a certeza que os moradores da rua agradecem. As associações culturais aqui existentes também. E os comerciantes... bom, estes nem se fala!

Nota - A minha parte está feita. A minha contribuição para Amarante Cidade Presépio já pisca... se eu a ligar. De resto, a rua está como nos restantes dias do ano, ou seja... escura como breu!
 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.